sábado, 24 de dezembro de 2016

Quando aportar se torna um vício



Pelo pouco capital líquido que possuo algumas pessoas podem pensar que não sou bom o suficiente para falar de todo esse problema de aporte – já que tem merreca em espécie – porém o pífio patrimônio que construí foi através desses aportes. Minha casa, por exemplo, que é o maior patrimônio imobilizado do qual não tenho intenção de desfazer por enquanto, abdiquei de muitas coisas para conseguir construir. Sim eu comprei o terreno, contrato um filho da puta (pedreiro) e outros da mesma laia (encanador, eletricista, vidraceiro, etc.) e depois de muito esforço estava tudo pronto.




Não cheguei a calcular com exatidão tudo que gastei construindo, pois obra é pior do que mulher, do que funk ostentação, do que carro beberrão, toda hora aparece algo para gastar, ainda mais quando os contratados não querem ou não sabem realizar com pouca margem de erro o cálculo dos materiais que serão empregados na obra. Já tive momentos em que para certa etapa da obra o gasto foi de 40% a mais do que o estimado. Ou seja, atestado de burrice daquele que fez o planejamento.

Dito isso passamos ao foco do post. Já tive certa compulsão por guardar dinheiro e isso veio desde criança. Não estou lamentando aqui, longe disso, porém minha família passou por muitas dificuldades no início dos anos 90 e com isso meio que ativou meu alerta de frugalidade depois da tempestade. Assim mesmo depois que as coisas melhoraram eu não tinha coragem de esbanjar qualquer dinheiro que conseguisse. Até o lanche da escola quando eu ganhava um dinheiro pra comprar, de vez em quando, ao invés de comprar um suco e um salgado eu só comprava o salgado e comia seco, kkkkk. Dai juntava o dinheiro do suco para adquirir outros bens.

Com esse perfil acabei conseguindo juntar bastante dinheiro quando era jovem aprendiz e trabalhei por dois anos até completar a maioridade. Foi nessa época que empreendi e ganhei tanto dinheiro como jamais tinha vista, e ainda hoje os ganhos que tive em 2005 eram invejáveis. No entanto, fechei o negócio entrei para faculdade e com a sobra investi numa furada de pirâmide (assunto para outro post), sorte que estava novo e tomei o primeiro grande tombo na vida ao começar a caminhar, dessa forma considero já ter dado a volta por cima há tempos.

Mesmo eu tendo pouco dinheiro investido atualmente todas as manhãs eu abro o aplicativo do banco para ver a rentabilidade dos meus reais. Passo infinitas horas calculando quando chegará minha semi-aposentadoria, que nada mais é quando meus rendimentos ultrapassarem meus aportes e por si só continuar a se multiplicar. Nesse momento novamente me vejo fazendo cálculos patéticos de economia de cafezinho em padaria e me pergunto se realmente isso faz tanta diferença. O caminho é árduo e longo por isso fico em cima do muro no momento de abdicar alguns supérfluos que pra mim são como anestésicos que vão me deixar embalar com mais facilidade ao resultado final.

Nesse fim de ano realizei um grande aporte, isso pelo fato do 13º salário. Para o ano que vem o objetivo deve se manter. Como viram na planilha eu idealizo em meta R$1.700,00 por mês, contudo estou conseguindo facilmente R$2.000,00 e ainda outros R$300,00 que ficam em outra conta emergencial e quando alcançar um valor considerável pode ser usado para infinitas possibilidades, até reinvestimentos – o que não é o foco.

Paralelo ao trabalho às vezes gosto de vender algumas muambas da China, sempre que encontro algum item em promoção compro muitas unidades e revendo com margem de 100% a conhecidos e pela internet. Sites gringos também são bons, caso não seja taxado. Com isso meu aporte às vezes da uma guinada e consegue atingir até R$900,00.



Só para constar fiquei dois anos pagando um empréstimo que na época achei importante e foi contratado em 60 meses, porém sabia que conseguiria pagar antes e com isso o juro não ia acabar totalmente comigo. Assim eu fiz, quitei ele com 21 meses e os juros que seriam aproximadamente R$21.000,00 ficou em apenas R$6.000,00. Para a época acho que compensou, pois era um dinheiro para investimento em outra coisa. Agora tempo todo meu tempo e grana livre para acumular patrimônio. Lembrando que não possuo nenhuma dívida nem cartão de crédito, além disso, hoje sou credor de pequenos empréstimos.

2 comentários:

  1. Olá Lawyer!

    Seja bem vindo a blogosfera! e um Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Mestre.

    Tudo de bom pra você também e rumo a IF.

    ResponderExcluir