domingo, 10 de setembro de 2017

Além de servidor, agora sou empresário!





Sei que não tenho sido assíduo aqui no blog, parte dessa ingerência se deve ao fato de ter havido algumas mudanças em minha rotina – e foram para melhor.


Acredito que já contei nesses mais de 60 posts que sempre tive uma veia empreendedora, certo é que não tenho certeza se já foi relatado. Portanto como estou com preguiça para procurar e não para escrever, vou descrever algumas experiências que já tive e se sobrar disposição irei falar da loja que irei inaugurar em outubro do corrente ano.


Tenra idade


Comecei minha vida profissional empreendendo aos 6 anos de idade no bairro fazenda em que cresci. Naquela época não existia água encanada, tampouco energia elétrica e o bairro estava iniciando a passos de tartaruga. Porém os bairros vizinhos que foram planejados já possuíam todos os recursos que faltavam ao nosso e sempre contávamos com a benevolência dos nossos amigos limítrofes quando precisávamos conservar um alimento no congelador ou mesmo tomar um banho de chuveiro vez ou outra. A amizade nos anos 90 eram bem melhor e como a violência era baixa a relação com vizinhos era praticamente familiar. Vários laços se formaram naquela época.


Voltando ao assunto, o nosso bairro tinha muitos trabalhadores da área da construção civil, que labutavam incessantemente de baixo de um sol escaldante e sem opção de se refrescar. Assim, sempre que íamos na casa dos vizinhos do bairro ao lado eu gostava de tomar um chup-chup (para outros geladinho). Sendo assim pedi minha mãe para que fizesse alguns para eu vender, já que era comum na época eu ver crianças fazendo isso na rua. Foi então que ela com a falta de recursos que tinha comprou o saquinho de suco em pó fez o líquido e pediu para eu ir ao bairro vizinho com uma caixa de isopor buscar uma forma de gelo. Então ela quebrou o gelo e colocou algumas pedras dentro do saquinho. Aquilo era o melhor que podia oferecer naquele momento.


Sai com minha caixinha, mesmo sem saber dar troco e vendi todos eles. Fiquei muito feliz naquele dia e minha mãe disse que ninguém tinha me dado o tombo no dinheiro.


Posteriormente já mais maduro comecei a trabalhar com meu pai em um serviço que não gostava nenhum pouco, já que exigia força física.


Vamos ao início deste causo.


Meu pai sempre foi peão de empresa da área da metalurgia e assim com todas as variações econômicas ficava na mão do Governo em suas desastrosas decisões. Certa vez uma crise em 1996 ou 1997 não me lembro, bem bateu a nossa porta e deixou meu pai (a única fonte de renda) desempregado. Concomitantemente minha mãe tinha ficado grávida e as duas noticias deixaram a casa em um clima pesadíssimo.


Meu velho como veio do interior sempre correu atrás das coisas e nesse período a prefeitura da nossa capital tinha distribuído algumas senhas para cadastrar camelôs. Meu pai ficou sabendo e dormiu longos tempos nas infindáveis filas para conseguir uma vaga. Com a força de Deus ele arrumou.


Agora era o problema, ele tinha a vaga, mas não tinha mercadoria nem dinheiro para comprar. Já que estávamos vivendo da ajuda da minha avó, que generosamente além de um cesta básica nos dava tudo que podia.


Assim um “espertão santo”(já já saberão o porquê) ofereceu meu pai em comprar o ponto da barraca, já que não se sujeitava a dormir em filas para conseguir a vaga. Meu pai na situação em que estava teve que aceitar imediatamente. O acordo era o parcelamento da vaga em algumas vezes com a primeira parcela vencendo a partir do trigésimo dia do pacto.


No dia acordado meu pai foi ao encontro do “esperto” e este informou que não tinha dinheiro algum e se meu pai quisesse receber seria através de mercadorias. Mas meu pai que antes tinha vaga e não tinha mercadorias se via diante da falta de vaga e abundância de mercadoria, que coisa não?


Impotente diante da situação aceitou sem ter opções à forma de pagamento. E com a cara e coragem foi vender na rua os produtos para recuperar o prejuízo. Para o seu espanto ele vendeu tudo rápido e com grande aceitação.


Dessa forma ele procurou o agora “santo” e pediu que adiantasse os pagamentos em mercadorias, e assim foi feito. Cada vez ele vendia mais e mais e os pedidos só aumentavam, até que precisou obter outros fornecedores.


Para vocês terem uma ideia comparativa amigos, no início dessa fase meu pai quando foi mandado embora recebia um salário mínimo, nos dias atuais algo em torno de R$950,00 para sustentar 3 pessoas e uma bebê a caminho.


Depois de 6 meses no ramo da venda imposto pelo “santo” meu pai ganhava em média R$10.000,00 por mês (números apenas exemplificativos). Imagina só literalmente do lixo ao luxo.


O ruim que no começo como não tínhamos carro eu andava quilômetros a pé com meu pai carregando sacolas pesadas visitando clientes. Depois ele alugou uma carroça, mas eu tinha vergonha, pois os garotas me zoavam muito. Até que ele comprou um Passat e passei a gostar de ir com ele. Kkkk.


Adolescência


Depois de uns 4 anos dessa fase boa meu pai resolveu construir apartamentos para alugar e como eu estava com 15 anos me colocou na obra. Eu odiava ser servente de pedreiro, assim fiz inscrição e fui ser menor aprendiz ganhando um salário mínimo com 15 anos (era rico).


O contrato acabou com fiz 18 anos e montei minha primeira loja. Foi uma lan house, com o dinheiro que economizei trabalhando.


Era a primeira do bairro, na época só tinha internet discada e jogos em rede eram CS e NFS. Aluguel uma das principais lojas da avenida (um salário mínimo) contratei um funcionário (um salário mínimo) e comprei 7 máquinas top financiadas, mas dei entrada. No final do primeiro mês depois da inauguração contabilizei cerca de 11 a 12 salários mínimos. Paguei todo mundo o que devia e comprei mais 2 máquinas à vista.


Depois disso tirava cerca de 5 salários para mim e queimava o resto.


Quando entrei para faculdade por minha conta e risco vendi a loja.


Nessa época meus pais já tinham a loja deles, roupas, armarinho, papelaria, tinha de tudo.


Depois também fecharam para descansar.


Quando estava na faculdade passei no concurso e assumi o cargo. Depois que me formei ajudei meus pais a abrirem outra loja, só que agora na área de alimentação. Deu muito certo eles trabalharam uns 3 anos nela e venderam dando lucro, só que cansaram novamente. Comércio alimentício é foda. Para se ter uma ideia eles venderam a loja dando para cada um líquido mais o que eu recebo por mês tendo curso superior e concursado.


Plano atual


Já falei que a onça que eu arrumei é empresária e seu ramo pelo pouco tempo que pude observar é um dos melhores que existem. Ela tem uma clínica voltada à estética de mulheres (não é salão de beleza). Como conversamos muito sobre empreendedorismo ela me disse que irá ministrar alguns cursos na área (na época de curso ela chega a ganhar uns R$7.000,00 por dia, já que cada aluna paga R$800,00 e ela tira R$100,00 com material e só fecha turma com 10, à duração do curso são 8 horas) e tem dificuldade em conseguir os produtos e materiais para suas alunas iniciarem suas atividades.






Dai eu entrei na hora, como ela é conhecedora chegamos à conclusão de fazer uma sociedade e abrir uma loja na cidade especializada no nicho que ela irá lecionar.


Fui fazer a pesquisa de campo e cheguei à conclusão que tem apenas um fornecedor na capital e este possui duas lojas. Portanto eu serei o único concorrente. Estou chegando ao mercado no começo, pegando o pão quentinho.


Assim já aluguel uma loja em uma movimentada avenida, comprei a maioria do estoque. A média de margem de lucro dos produtos são 400%. Já marquei com o contador e farei um curso no SEBRAE semana que vem para poder sanar algumas duvidas e bola para frente. Essa semana também viajarei para São Paulo para comprar algumas coisas que estão faltando.


Tem a preparação da loja que iniciará no dia 15 de setembro e todos os móveis que serão instalados (tudo planejado) e o melhor o curso será dado no mesmo espaço, ou seja, as alunas saíram com a teoria e poderão ter o acesso aos produtos no mesmo local.


Pois é pessoal o texto ficou extenso, mas tudo bem já que faz algum tempo que não escrevo. Aos poucos vou divulgando algo para os que se interessarem.


Obs: Todos os custos da loja foram divididos e minha parte vem de uma conta que possuo para gastos extraordinários, ou seja, não afetará em nada minha carteira. O dinheiro que tenho nessa conta para se ter ideia me deixaria no patamar de 100k, porém por precaução sempre o deixei lá e agora vi que serviu para algo. E se não der certo eu e a onça temos nossos meios de renda normal, nada nos afetará, pois não dependemos da loja para subsistência. Inclusive devo permanecer com os aportes na média esperada para o ano de 2017.


Fiquem com Deus!  


32 comentários:

  1. Legal! as vezes penso em diversificar também para aumentar a renda. falta estudar e escolher algo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então Beto eu estava olhando um negócio para abrir já tem um tempo, confesso que cansei de estudar para concurso, sendo assim tenho que gastar o elevado nível de energia que possuo.

      Estava esperando e mentalizando algo que eu realmente acreditasse e parece que encontrei.

      Excluir
  2. Sensacional sua história LI, muito bonito o esforço de seu pai desde os primórdios para garantir o sustento de sua família, passando pra você essa veia empreendedora, desejo que dê certo seu empreendimento com sua "onça".

    Mais um excelente blog de finanças que encontro aqui olhando no blogroll dos amigos, vou adicioná-lo a minha lista, se possível gostaria que fizesse o mesmo.

    Vou acompanhar seus posts antigos para conhecer mais da sua história, abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado IP e seja bem vindo. Vou adicioná-lo sim com certeza, aqui nesse nosso mundo só temos a ajudar um ao outro.

      Excluir
  3. muito bom,boa sorte...porem eu nao sei se vc esta se previnindo...contratatos,algo feito no papel ou tudo boca a boca ? toma cuidado man...as vezes voce acha que estao se dando bem e pode estar sendo "usado" . Nao que eu queira dizer que realmente seja isso mas é sempre bom estar aberto em todas alternativas..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, isso eu sempre fico de olho. Mas esqueci uma palavra no início do post Além de servidor, Advogado, empresário. Ou seja, contratos está no sangue rsrs.

      E de qualquer forma também como eu disse essa grana nem faço conta era mais para comprar ouro, viajar essas coisas. Vou arriscar.

      Excluir
  4. Servidor não pode ter cnpj. Isso dá demissão fácil fácil. Faço PAD no governo federal e sei como funciona. Se for pego, não tem choro nem vela. É rua.
    Cuidado com o que está fazendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nobre anônimo que bom que passou por aqui. Vejo que teve o cuidado de realizar essa observação, mas no que tange ao Direito Administrativo está um tanto quanto equivocado.

      Servidor é regido pelo Estatuto e o mesmo pode discorrer do que quiser, desde que esteja dentro da legalidade.

      Certo é que eu como servidor não só posso como serei empresário constituído e farei parte do Contrato Social com a maioria das cotas, isso mesmo eu serei o cotista majoritária da Pequena Empresa LTDA cadastrada no Simples nacional.

      O que eu não posso ser é o administrador da empresa o gestor o controlador, consegue ver a diferença? Posso ter 99% das cotas, contudo não posso controlar a empresa, por um simples motivo, o meu tempo tem que ser dedicado ao Estado, e assim será.

      Mas a título de curiosidade eu terei 60% das cotas.


      Abraço!

      Excluir
    2. Você está certo!
      Disse de forma geral, mas realmente há essa exceção na lei 8112/90.

      Excluir
    3. Vc está correto. Entretanto, tome cuidado para não deixar rastros de administração, assinar cheques, ter a assinatura no banco, representar a empresa em órgãos públicos e dar ordens diretas na empresa, se um funcionários testemunharem que vc quem administrava terá fortes dores de cabeça.
      Sou auditor fiscal e tive coragem legas que foram demitidos, pois após denúncia, foi comprovado que tinham gerência em negócios, um era uma pousada e outro uma lanchonete que herdou dos pais em sociedade com uma irmã.
      Fique atento e boa sorte, cuidado com a namorada, pois ex-namorada às vezes é raivosa, lembre de Nicéia Pitta.

      Excluir
  5. É isso ai Lawyer! boa sorte man! torcendo aqui!

    ResponderExcluir
  6. Muito legal a sua historia.

    O nicho escolhido é muito promissor e atravessa bons momentos mesmo na crise.

    Abraçao e sucesso LI

    ResponderExcluir
  7. Show de bola Lawyer. Grande história, parabéns pela vontade de empreender. Acho que todos nós da blogosfera temos essa vontade. É apenas questão e tempo de cada um encontrar o seu nicho. Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Torcendo por voce Lawyer!!! Sou servidor público e penso todos os dias em empreender tambem nas horas vagas. Uma hora sairá do papel!!! Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso ai colega uma hora pinta a ideia e funfa. Vlw.

      Excluir
  9. Parabéns pela iniciativa Lawyer!
    Sou Analista Judiciário num Tribunal Federal e penso que já encerrei minha vida de concurseiro.

    O Empreendedorismo está "em alta" na finansfera, tenho lido muito sobre o assunto ultimamente.

    Boa sorte!


    Boba Fett

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é eu sempre empreendi até hoje vendo tudo que é coisa e catira é cmg mesmo. Vlw.

      Excluir
  10. Bom post meu camarada.
    Eu também carrego comigo o desejo de ser dono de um negócio.
    tenho varios planos, mas nada além disso.
    Boa Sorte e conte-nos mais como esta sendo o dia a dia da caminhada.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comece com algo que dê para conciliar depois vai agregando.

      Excluir
  11. Parabéns pela nova aventura. Sou seu leito, embora não comente nunca, sempre acompanho seus causos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Felipao fico feliz que gosta das minha estórias.

      Excluir
  12. História muito legal!

    Essa área de estética é muito boa! Tanto para mulheres, como para homens!

    Boa sorte!

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Velho muie é do zoi pelado pra gastar com isso, deixa até de comer.

      Excluir
  13. Boa sorte e nos conte como esta a evolução.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Desejo muito sucesso! Desejo logo chegar minha vez de empreender!

    ResponderExcluir
  15. Cara esse ramo dá muito dinheiro, eu tinha um amigo que trabalhava comigo na área de TI de um banco, ele começou e estudar fisioterapia, e pouco antes de se formar pediu demissão do banco, ai ele começou a comprar uns aparelhos de massagem e uns cremes e começou a bater na porta dos puteiros (Aqui na minha região tinha muitos), rapaz ele começou a bombar de trampo na zona, depois abriu um clinica de estética, hoje ele tem 4 clinicas próprias, 2 franqueadas !! Aqui na grande sp também sempre tem uma ou outra mulher que trabalha independente neste ramo e ganha uma grana legal !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa minha área não é tão prazerosa quanto do seu amigo, esse ai acertou na mega heim. Kkk

      Excluir